Penha: entre redes e promessas

Fé, devoção, mar, belezas naturais, pesca, suor, ritmo, pessoas. Essas e tantas outras palavras poderiam ser relacionadas ao bairro da Penha e às suas manifestações culturais. Esse bairro, de importância fundamental para a cidade de João Pessoa e para todo o Estado da Paraíba, é tema da exposição “Penha: entre redes e promessas”, que a Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Paraíba – Iphan/PB, por meio da sua Casa do Patrimônio, promove.
De importância fundamental para a Paraíba, o bairro se tornou referência no Estado por conta do Santuário e da romaria de Nossa Senhora da Penha, que motivou o tombamento, em nível estadual, do templo e do seu núcleo central. Para além da devoção a Nossa Senhora da Penha, o bairro é carregado de outras referências culturais importantes, como a bela procissão de São Pedro Pescador, cujo trajeto segue por terra e por mar; a natureza peculiar do local, engrandecida pela paisagem praieira integrada às falésias e à mata atlântica; o universo da pesca artesanal, que agrega vários saberes e práticas, como o ofício do pescador, a construção dos apetrechos de pesca, a venda do peixe e sua influência nas relações sociais e econômicas locais; e o próprio ritmo de vida dos moradores da Penha e daqueles que vêm visitá-la, seja para a missa e eventos ligados ao Santuário ou para se deliciar com suas águas mornas ou se satisfazer com a culinária preparada com os pescados do seu mar.
A exposição “Penha: entre redes e promessas” busca mostrar esse olhar ampliado sobre o bairro e suas referências culturais. A riqueza local demonstrada é síntese de um extenso trabalho de pesquisa documental e registro audiovisual desenvolvido pelo Iphan/PB entre 2012 e 2014. A pesquisa foi pautada em fontes documentais, como jornais e livros, e em fontes orais, por meio de entrevistas com moradores da região e outras pessoas que, de certo modo, têm forte relação com o bairro.
A exposição é complementada com o olhar sobre o bairro a partir da perspectiva de artistas pessoenses e trabalhos de alunos da Escola Municipal Antonio Santos Coelho Neto, localizada no bairro, que produziram obras em diferentes estilos e técnicas, mostrando aspectos e detalhes do seu cotidiano e de seu patrimônio.
Com o apoio da Estação Cabo Branco – Ciência, Cultura e Artes, a Superintendência do Iphan na Paraíba traz ao público esses olhares, mostrando a Penha como um lugar de devoção e emoção, mas também de pesca, redes e encantamento.
O catálogo da exposição pode ser acessado no seguinte link: